Pesquisar este blog

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Quinze minutos


A história de Ica, um alcoólatra em recuperação que procurou
ajuda e conseguiu, de quinze em quinze minutos, seguir sem o álcool

O envolvimento com o alcoolismo de Valdir Cavalli, o Ica, começou cedo, com apenas oito anos de idade. Ica morava com os pais e o avô – um professor aposentado que bebia uma garrafinha de Pepsi Cola de cachaça por dia. Incumbido da tarefa de comprar a bebida, o menino experimentava a cachaça na estrada de volta da bodega. Chegando próximo de casa, completava com água do rio o que havia tomado, para que o avô não percebesse a diferença.
“Cada vez que eu fazia isso, meu avô reclamava com a minha mãe que o bodegueiro o estava enganando. Eles não sabiam que eu mesmo a tomava”, conta Valdir que, através de entrevistas, constatou que a história se repete ainda hoje com crianças de oito a dez anos. “Noventa por cento das crianças confirmam já ter experimentado bebida alcoólica. Ou tomaram uma caipirinha que o pai ofereceu, ou um gole de cerveja, ou um vinho adoçado. Isso é um perigo”.
Na concepção de Ica, o avô foi um exemplo. Apesar disso, ele não vê no avô ou em seus pais, a justificativa para o seu problema com a bebida. A curiosidade infantil o fez experimentar a cachaça, vontade que foi aumentando com o passar do tempo. “O alcoolismo é uma doença e ela é progressiva. Ninguém começa bebendo dois litros de cachaça por dia”, quantidade ingerida por ele antes de parar de beber.
Adepto da máxima: “Evite a ressaca. Mantenha-se bêbado”, Ica bebia um dia porque estava alegre, outro porque estava triste; um dia porque estava sem dinheiro, outro porque tinha dinheiro. “Quando há um alcoólatra em uma família, todas as pessoas são prejudicadas. A pessoa que bebe pode não perceber isso, mas além de prejudicar a si mesmo, ela pode atrapalhar a vida de vinte, trinta ou quarenta pessoas diretamente envolvidas com ela”. Em um dia o alcoólatra pode agir de maneira agressiva e no dia seguinte fingir que nada aconteceu. “O alcoólatra lembra sim do que faz e as pessoas lembram muito mais”, salienta.
“Você apronta em um bar hoje, ou maltrata uma pessoa, diz um palavrão, e amanhã passa e faz de conta que não fez nada, só que a pessoa está sentindo ainda. Um exemplo disso é o marido alcoólatra que chega em casa e xinga a mulher. No outro dia ele lembra, mas fica na dele. A mulher vai guardando rancores e mais rancores, assim como todas as pessoas que são ofendidas pelo alcoólatra. Dificilmente alguém vai cobrar a atitude, até porque tem medo, já que o alcoólatra se torna alguém muito explosivo”.
Potencializado pelo álcool, o lado negativo do ser humano aflora ao menor sinal de contradição. Entretanto, o doente alcoólatra não associa o álcool aos problemas sociais que enfrenta. Ica largou os estudos e teve dois casamentos malsucedidos. Na época de seu primeiro casamento, quando morava em Porto Alegre, Valdir vira sua esposa partir com apenas dois anos de vida conjugal. No inverno, Ica ia trabalhar e levava a cachaça dentro de uma garrafa térmica. Passava pelo portão da guarita e tomava a pinga – que dizia ser café –, durante o trabalho. “Eu trabalhava à noite em um frigorífico e depois das 2h da madrugada eu fazia hora extra, o chamado serão. Das 2h às 6h eu tomava cachaça. Ia para casa, bêbado, a mulher já tinha ido trabalhar, e eu ia dormir. Dormia o dia inteiro. À noite levava mais uma garrafa e assim foi indo, até que descobriram e me deram a conta”. Mesmo encontrando outros empregos, ele continuava a beber. Não passava de seis meses em um lugar. A mulher então o abandonara após uma briga entre eles e o pai da moça. O motivo, é claro, o alcoolismo.
Dois anos depois, no Paraná, Valdir se casaria novamente. Por quatro anos, a outra esposa o aguentara. “Quando ela me abandonou, eu achei que estava com a razão. Dizia que ela não prestava, que era uma vagabunda, que tinha outro homem. Ciúme. Na realidade, depois que eu parei de beber, eu fui ver que essa razão só existia na minha cabeça, na minha imaginação, e que não havia motivos, pois os motivos eram causados por mim. Eu via coisas que não via quando estava sóbrio”, conta Ica. Posteriormente, ele reconheceu que a mulher era uma boa pessoa. Ela até mesmo o procurou cinco anos após ele ter parado de beber, mas o relacionamento não foi reatado pelo medo que ele tinha de magoá-la novamente.
Enquanto bebia, Ica era muito discriminado. Isolou-se e foi isolado da sociedade, sofrendo bastante com a distância da família. “Entrei em períodos depressivos, tinha vontade de me matar. Dormi na rua, em portas de igreja, emprego eu não conseguia, quando conseguia era um trabalho pequeno, como de carpir um lote. Era aquele servicinho feito em um dia ou meio dia. Porque a sociedade é capaz de dar mais valor a um ladrão, a um bandido ou assassino do que a um doente alcoólatra. O alcoólatra é visto como um indivíduo inútil na sociedade. É aquela pessoa que só serve para causar confusão e não como um doente que pode, por meio de tratamento, mudar de vida”.
E para aqueles que não acreditam que exista vida pós-alcoolismo, Valdir é um exemplo de que isso é sim possível. Depois de várias tentativas frustradas, tentando se convencer de que conseguiria se livrar sozinho da doença, o A.A. (Alcoólicos Anônimos) e a sua fé em Deus foram definitivos para sua recuperação. Aos 51 anos, ele está longe do álcool há 18. “É uma nova vida. Eu nasci de novo. Mesmo assim, eu nunca vou deixar de ser um doente alcoólatra. Não existem ex-alcóolatras, existem alcoólatras em recuperação”. Através do A.A., Ica conseguiu atingir objetivos que lhe pareciam impossíveis. Ele voltou aos estudos e há doze anos, finalmente, conseguiu formar uma nova família, ao lado da terceira esposa e dos filhos.
Até então, lhe faltava a coragem de admitir que era um alcoólatra. “Eu dizia: ‘Não, eu não sou bêbado. Eu bebo quando eu quero. Se eu não quiser beber eu não bebo.’ Mas as coisas não eram bem assim. Eu não tinha controle. Depois do primeiro copo, eu queria beber todos. Cheguei até mesmo a mendigar um copo de cachaça, porque não tinha mais dinheiro para comprar, via as pessoas bebendo e pedia pelo amor de Deus que me dessem um gole. Eu não tinha coragem de dizer: ‘Eu preciso de tratamento; eu preciso dessa sala.’ E a partir do momento que eu conheci os Alcoólicos Anônimos, tive uma visão totalmente diferente do que é ser um doente alcoólatra”.
O alcoolismo, não escolhe idade, sexo, cor, religião ou classe social. É constatado pela medicina como uma doença incurável, que pode ser amenizada com o apoio das pessoas, através de muita conversa e troca de experiências, algo que acontece no A.A. “Decidi que a partir daquele dia eu ia fazer o programa do A.A. que é de 24h sem álcool, mas tive que fazer de quinze em quinze minutos. A cada quinze minutos eu pedia ao meu poder superior, que é Deus, que me desse esse tempo para ficar sem o álcool. Logo que eu parei, uns quinze ou vinte dias depois, me deu uma crise muito forte. Tive queda de pressão, cólica renal e problemas com o fígado. Achei que ia morrer. Não vi mais nada e quando percebi estava internado num hospital de Francisco Beltrão. Não sei como me levaram. Dizem que me deram por morto. Minha pressão estava 3 por 5. Todo amarrado, soro por todo o lado. Consequência da reação que meu corpo teve pela falta do álcool”.
Após ter largado a bebida, ser aceito na sociedade foi outro processo doloroso para Valdir. A comunidade lembrava dele pelo que fazia nos tempos de bar. “As pessoas me enxergavam como aquele alcoólatra de antes”, lamenta Ica. Comportamento que só foi mudando com o passar dos anos, diante das mudanças apresentadas por ele. “Você pode fazer dez coisas positivas e uma negativa, as pessoas vão lembrar daquela coisa negativa. Mesmo assim, hoje eu ando de cabeça erguida”. Porém, ele não nega que no passado causou mal a muitas pessoas. Intrigas e desavenças na própria família o marcaram para sempre.
Ica ainda foi dono de bar por nove anos, seu ganha-pão. Sem poder beber, lá ele via as pessoas se transformarem após algumas doses, o sofrimento pelo qual elas passavam, falando coisas sem sentido, esquecendo o caminho de casa. Hoje, ele lidera um grupo de A.A. em Flor da Serra do Sul, ao lado de apoiadores e outros alcoólatras em recuperação. “Sem Deus, a pessoa não é nada. Aquele que não acredita em Deus dificilmente vai alcançar um objetivo na vida. Porque hoje, se eu sou o que sou, é porque Deus me deu esse poder”, finaliza.

Valdir Cavalli (Ica) é professor de Língua Inglesa em uma extensão da Escola Nossa Senhora da Glória, onde dá aulas para o 1º ano do ensino fundamental. É também tutor de Pedagogia e aluno do Curso de Letras (Língua Portuguesa e Espanhola) no Pólo da Universidade Aberta do Brasil de Flor da Serra do Sul.

(Publicado no Sentinela do Oeste em 1º de outubro de 2009)

Um comentário:

On The Rocks disse...

lindo post. é de fazer pensar...

bj