Pesquisar este blog

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Esperando as seis


Coloco os meus fones de ouvido e me ponho a sonhar. Há tempos tornei-me quieta, ainda mais após o casamento. Parei de me auto-afirmar, entende? Parei. Noto que a escrita tem como matéria-prima a dor e a dor já não me acompanha. A não ser a física. Ando a pé, debaixo de chuva e no meio de uma paisagem branca. Então imagine. Meu estado físico está deplorável. Inícios são sempre penosos. Estou ouvindo Carla Bruni, não me pergunte o motivo. Tá. Tão calma, tão fácil, tão leve, tão ela. E o inverno está sendo, por outro lado, um bálsamo. Um bálsamo dormir e acordar ao lado dele. Ah, mas levantar. Levantar tem sido uma cruz. Quero ficar, me revolto contra o sistema, desejo trabalhar pro Bill Gates, uma loucura. No mais, há muito não experimento a solidão. Só o silêncio. O silêncio, sim, quando estou longe dele. E quando perto, são aqueles sorrisos soltos, aqueles planos malucos, aquela vontade de ficar. E aí me lanço às mensagens instantâneas – me lanço mesmo, oras. Duvido da humanidade dos que não sentem um aperto no peito quando distantes de seus amores e, quando sentem, não buscam desafogar este aperto. E desconfio da humanidade dos que chegam no horário marcado nos dias frios! Mas, acima de tudo, duvido da minha existência quando longe de ti. Parece que só existo quando estou contigo, naquele espaço de tempo que tenho teu amor como poema concreto. No mais, sou só mais uma na multidão esperando as seis, correndo feito criança para os teus braços, buscar o calor que faz de mim, vida – tua vida.

Para Fábio.

Um comentário:

Noctis Lupus disse...

Eu já havia comentado com você isso, não? Muitas das nossas escritas vem da dor, da solidão, da tristeza. Agora que você encontrou a paz, vais ter que encontrar sua inspiração para outras direções. Abraços e felicidades para os dois.